Pular para o conteúdo principal

BATISMO COM FOGO!?

Você Pergunta: O que é o batismo com fogo citado em Mateus 3:11? Alguns afirmam que seria o batismo com o Espírito Santo seguido do falar em línguas. Eu fico um pouco confuso com relação a isso, pois eu mesmo sou crente fiel a Deus, mas nunca falei em línguas. Será que existe algum problema comigo? Todo crente deverá ser batizado com fogo ou só alguns que serão? O que é ser batizado com o Espírito Santo e com fogo?

Caro leitor, vamos fazer uma análise correta do texto citado por você, bem como de todo o contexto. Dessa forma conseguiremos esclarecer facilmente o significado dessa expressão usada por João Batista. O texto que você citou é este: “Eu vos batizo com água, para arrependimento; mas aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu, cujas sandálias não sou digno de levar. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo” (Mateus 3:11)Vamos começar a nossa análise:

O que é ser batizado com fogo?

A primeira pergunta que temos de responder é a seguinte: para quem João Batista dirigiu essa palavra? Observando o contexto, vemos que muitos iam até João Batista e, arrependidos de seus pecados, eram batizados por ele com água (Mateus 3:5-7). Mas entre estes, alguns iam até João com outros propósitos; estes são identificados como os fariseus e saduceus (Mateus 3:7). Foi diretamente a eles que João disse essa palavra, que começa no verso 7: “Vendo ele, porém, que muitos fariseus e saduceus vinham ao batismo, disse-lhes: Raça de víboras, quem vos induziu a fugir da ira vindoura?”

João questiona veementemente a falsidade e hipocrisia do arrependimento dos fariseus e saduceus (Mateus 3:8-9). Eles estavam ali com outros objetivos, não com o de se arrependerem dos seus pecados e viver uma nova vida. Nesse contexto João diz algo interessante a eles que nos ajudará a compreender o que significa batismo com fogo: “Já está posto o machado à raiz das árvores; toda árvore, pois, que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo” (Mateus 3:10)O fogo citado aqui, claramente aponta para o julgamento de Deus e a justa condenação dos ímpios.

Dentro desse contexto João continua sua fala aos fariseus e saduceus e, claro, para aqueles que deveriam estar ali ouvindo toda essa conversa, explicando a eles da vinda do Messias, que seria maior do que ele (Mateus 3:11). Esse Messias estaria apto a oferecer dois batismos, sendo: o batismo com o Espirito Santo: é o batismo do arrependimento, a morte para a velha vida, a purificação dos pecados, a nova vida, etc. E o batismo com fogo: Esse é o batismo no qual os perversos serão batizados, conforme o próprio João explica na sequência: “A sua pá, ele a tem na mão e limpará completamente a sua eira; recolherá o seu trigo no celeiro, mas queimará a palha em fogo inextinguível” (Mateus 3:12).

Esse trigo que será recolhido no celeiro são os salvos, os batizados com o Espírito Santo, os selados pelo Espírito Santo da promessa (Efésios 1:13). Já a palha que será jogada em fogo inextinguível são os ímpios, batizados com o fogo do juízo de Deus. Como vimos, todo o contexto usa o fogo como símbolo do juízo de Deus sobre os perversos.

Sabemos que nas Escrituras Sagradas o fogo é usado com diversos significados. Por exemplo, como símbolo de purificação, da provação, do juízo, etc. Para que o sentido da palavra fogo seja corretamente atribuído a um texto é importante avaliar cada contexto para não cometer erros. Como vimos claramente nesse texto que analisamos neste estudo, o batismo com fogo é claramente identificado como o batismo que Deus aplica nos ímpios, um batismo de condenação justa.

Assim, caro leitor, o crente verdadeiro não deve ser batizado com esse fogo citado nesse texto, pois se o for, nem mesmo poderá mais ser chamado de crente, pois, na verdade, nunca o foi. Antes, se for batizado com esse fogo citado por João Batista, será um batismo de condenação.

Por esse motivo aconselho que a cada ministração que ouvir, anote os texto base, crie o habito de tudo que ouvir se realmente confirma na palavra. Infelizmente tem muitos crentes que estão pedindo batismo com fogo e nem sabem ao certo o que estão pedindo.

(2 Timóteo 3:16) diz -Toda Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça; Por isso temos a melhor arma contra heresias e ensinamentos desfocados da palavra e focado para interesses próprios.

Seja abençoado por essa palavra.

Deus te abençoe.

Pr. Fernando.
Web Rádio Palavra Viva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Existem apóstolos nos dias de hoje?

Nunca se viu tantos apóstolos como neste início de século. Em cada canto, esquina e cidade encontramos alguém reivindicando o direito de ser chamado apóstolo. Entendendo o movimento de restauração e o movimento apostólico: O chamado movimento de restauração defende a tese de que Deus está restaurando a igreja. Para estes, após a morte dos primeiros apóstolos, a igreja de Cristo paulatinamente experimentou um processo de declínio espiritual culminando com a apostasia vivenciada pelos seus adeptos no período da idade média. Com o advento da Reforma Protestante, os defensores desta teologia afirmam que Deus começou a restaurar a saúde da igreja. Segundo estes, Lutero foi responsável pela redescoberta da salvação pela graça, e agora no século XXI, estamos vivendo a restauração do ministério apostólico. Os teólogos desta linha de pensamento afirmam que a restauração dos apóstolos é uma das últimas coisas a serem feitas pelo Senhor, antes de sua vinda. Para os adeptos desta linha de pensame…

EU QUERO DE VOLTA O QUE É MEU!!??

Temos visto em várias denominações campanhas com o título "tempo de restituição", colocam como música da campanha aquela bem conhecida "restitui eu quero de volta o que é meu" e para fechar com chave de ouro usam o texto de Jó 40:10 levando as pessoas a entender de uma forma totalmente equivocada o texto e contexto. Cheguei a ouvir de uma pessoa um dia que devemos orar por nosso amigos que assim Deus nos "restitui", apenas esquecem o que é dito no primeiro capítulo do mesmo livro (havia um homem na terra de Uz, cujo o nome era Jó, e era este homem íntegro, reto e temente a Deus e desviava-se do mal). A enfase da postagem não é essa, mas dentro dessa abertura conseguimos entender onde chegaremos.
Eu quero de volta o que é meu, mas o que é ou era nosso de fato???

Temos pregado em nossos púlpitos que nada é nosso, tudo é dEle, que nossa casa não é nossa, mas dEle, que nossos filhos não são nossos, mas dEle, falamos também que nosso carro não é nosso, mas dEl…